Comprar imóvel à vista não é para qualquer um. Por isso mesmo, a forma mais comum de adquirir o bem, para morar ou investir, é através do financiamento imobiliário.

No entanto, apesar de ser uma solução já bem antiga e bastante popular, gera muitas dúvidas devido à aos detalhes da negociação e também às suas regras – que volta e meia mudam de acordo com os ventos da economia.

Veja como funciona o financiamento imobiliário bancário e tire todas as suas dúvidas a respeito.

O que é financiamento imobiliário

De uma forma geral, o financiamento imobiliário permite que um imóvel seja pago em várias prestações, que podem chegar a décadas. Diluído desta forma, o valor do imóvel acaba acrescido de juros e taxas, mas se torna viável de ser encaixado no orçamento.

Na verdade, o financiamento imobiliário, que pode ser feito por bancos particulares ou privados, nada mais é do um empréstimo. A instituição financeira empresta o valor total e paga à incorporadora ou construtora.

Você, então, fica devendo ao banco. Ou seja, o imóvel só passa para o seu nome depois de quitada toda a dívida.

Como é feito

O financiamento imobiliário tem regras gerais bastante parecidas, mas há variantes de acordo com o banco e com o perfil do comprador. Por isso, o mais indicado é pesquisar bastante antes de fechar negócio com algum banco.

Analise bem as condições: valor mínimo da entrada, condições de pagamento, taxas de juros, tempo mínimo e máximo para pagamento, tipo e limite de crédito e taxas adicionais, por exemplo.

Faça simulações para chegar o mais próximo possível de um valor confortável para você, mas não esqueça que as condições também costumam mudar de acordo com o tipo de imóvel e de instituição, pública ou privada.

Em um banco público, como a Caixa, por exemplo, é possível adquirir um financiamento imobiliário pelo Minha Casa Minha Vida. Voltado para famílias com renda mensal de até R$ 9 mil, o programa do governo federal oferece mais subsídios e facilidades para as faixas salariais mais baixas.

Exigências merecem atenção

Entretanto, mesmo no Minha Casa Minha Vida é preciso ficar atento às exigências do programa. Entre outras, é preciso que o candidato não tenha nenhum outro financiamento imobiliário ativo, use o imóvel para moradia e esteja localizado no mesmo município de seu trabalho.

Nos bancos públicos a taxa de juros é pré-fixada, mas nos bancos privados ela varia de acordo com o perfil do cliente. As exigências, por outro lado, costumam ser bastante rígidas. É imprescindível, por exemplo, que o nome esteja limpo na praça.

Clientes negativados têm praticamente 100% de chance de terem seu pedido de financiamento imobiliário negado. Por isso, a recomendação dos especialistas é que todas as dívidas sejam quitadas ou negociadas antes da entrega da documentação.

Mesmo assim, há um estudo profundo do histórico de dívidas e pagamentos pregressos, o que também vai ajudar a determinar a taxa de juros no caso do pedido ser aceito.

De forma geral, os documentos pedidos são CPF e documento de identidade, comprovante de residência, comprovante de renda e a mesma documentação do cônjuge, quando houver, no caso de casados em regime de comunhão de bens.

Se não houver nenhuma pendência em nome do proponente, o financiamento imobiliário é aprovado após uma análise minuciosa. O banco, então, envia um avaliador profissional (corretores e/ou engenheiros) ao imóvel em questão para averiguarem se o valor do imóvel é condizente com o mercado imobiliário. Uma vez tudo certo, o contrato é assinado.

Planejamento é fundamental

Uma estratégia fundamental para conseguir um bom financiamento imobiliário, no entanto, é o planejamento. Hoje é comum os bancos oferecerem ferramentas de simulação em seus sites, o que é muito importante para calcular o valor do imóvel e das prestações que cabem no seu bolso sem aperto.

A dica é fazer essa simulação e ficar um ano guardando o valor equivalente ao da prestação em uma poupança, por exemplo. Se neste tempo você não conseguir retirar mensalmente aquela quantia do orçamento, é sinal que será muito difícil conseguir honrar suas dívidas após o contrato assinado.

De qualquer forma, tenha em mente que o mercado só aceita o comprometimento máximo de 30% da renda líquida na prestação do imóvel. Procure ser sempre realista quanto às suas possibilidades para não correr o risco de perder o imóvel e o seu investimento mais tarde.

Na dúvida sobre como proceder em busca de um financiamento imobiliário? A Mirantte tem os corretores mais bem treinados do mercado. Fale conosco e tenha uma assessoria completa na busca e compra do seu imóvel perfeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *